Páginas

sábado, 16 de julho de 2011

14, de julho de 2011 – Quinta -feira - Chegada na Clínica...



Depois de um dia exaustivo e de muito esperar. Enfim deixamos o "Amor" na Clínica. Fiquei com o coração na mão de deixar ele lá e fiquei preocupado com o fato da comida, sei que ele gosta de comer bem, e como iria entrar depois da janta, isso me deixou apreensiva. Eu a mãe dele e a irmã, fomos no mercado ao lado comprar algo pra ele comer. Compramos Kibe, pão, Nescau, bolacha e eu me lembrei de comprar uma barra de chocolate, por que eu sei que ele gosta. Além de que chocolate tem substâncias que agem no cérebro e dão a sensação de prazer, acho que vai ser bom pra ele. Esqueci das balinhas. Fomos levar a sacola de volta na clínica, e as meninas queriam saber o que tinha na sacola, não foram nem um pouco simpáticas e falaram que não costumavam entregar coisas fora de hora, expliquei que ele não tinha comido nada o dia inteiro, enfim pegaram a sacola, mas fiquei na dúvida se elas iam entregar.

Deixamos tudo lá, inclusive o meu coração. Entramos no carro e fomos embora. Contamos o fato da comida para o pai do "Amor", e ele disse que não sabia se as coisas iriam entrar. Eu estava muito cansada, com muito sono, não quis pensar muito pra não ficar estressada, que ridículo eles não entregarem, vontade de voltar lá e xingar todo mundo. Mas isso não resolve, e eles devem ter os procedimentos deles, temos que respeitar. Quando eu for ver ele eu pergunto se tudo chegou direitinho.

Estava com muito sono, e cochilei em alguns trechos, pois a saída de Curitiba estava um caos, e fiquei um pouco triste, aos poucos a ficha ia caindo, o "Amor" ia ficar um tempão longe de mim e eu não sabia quando ia ver ele de novo, era impossível segurar algumas lágrimas, mas eu me controlei não podia chorar na frente dos pais dele né. Mesmo assim, eles perceberam que eu estava quietinha, e perguntaram se eu estava triste, eu disse que sim, que ficava um pouquinho, mas que era normal e que já ia passar. Eles concordaram comigo, e me disseram que era melhor assim, que todo mundo sofreria muito mais se deixasse como estava, que vai ser bom pra ele, etc... coisas que eu sei. E é isso que me conforta.

Paramos comer alguma coisinha, estava todo mundo “morto de fome”, pois estávamos um tempão sem comer. Enfim cheguei em casa, muito cansada. Conversei um pouco com a mãe, contei uma história pra ela pra justificar o nosso atraso, afinal cheguei 9 horas da noite em casa. Não gosto de mentir pra mãe, peço muito perdão a Deus por isso e espero que Ele não me castigue por isso, mas é melhor assim, tem que ser assim, e Deus sabe que um dia eu quero que ela saiba de tudo. Mas quero que ela saiba, quando eu tiver um final feliz pra contar. Tomei um banho  e fui deitar. Pensei em tudo um pouquinho, fiquei triste, algumas lagrimas caíram e logo adormeci, com a TV ligada.


“Amor, não esqueça... o quanto eu amo você..."

PS: Gente, esse é o primeiro dia que comecei a escrever o meu diário, vou chamar meu namorado de "amor", para preservar a identidade dele aqui. Não vou citar nomes ninguém aqui, fora o meu. Ninguém sabe que meu namorado luta contra esse problema na minha família, ele realmente não aparenta, apesar de fumar crack. Por isso falo que me sinto mal em mentir pra minha mãe, eu disse que ele viajou a trabalho, para justificar todo esse tempo ausente. No decorrer das postagens vou falar um pouco mais sobre ele.
Beijos da Gaby.

10 comentários:

  1. Oi querida Gaby,

    Sou seguidora do blog amando um dependente químico, e gostaria de ser sua seguidora também, porque também sou uma co-dependente em recuperação e sei muito bem o que você vem passando em sua vida. Pode contar comigo, porque juntas somos mais forte.

    Tenha sempre força, fé e muita serenidade!!!
    mil bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Tininha, obrigada querida! Espero cada dia ser mais forte com a ajuda do blog e de vocês!
    Beijos no coração ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi gaby.. vou me identificar como "P" pois não quero ser identificada.
    Estava pesquisando na internet sobre a experiência de esposas de dependentes quimicos e encontrei o blog amando um dependente quimico e através desse blog vi uma postagem sua e decidi ver o seu blog também. Quando li o que você tinha escrito me identifiquei bastante com a situação, a qual está vivênciando, por que eu também sou namorada de um adicto em recuperação, ele está em uma clínica em tratamento e faz 4 messes que o meu amor adicto esta na clinica, minha familia sabe de tudo.
    Sei o quanto é dificil estar longe do seu amor, afinal estou passando pela mesma situação e sei bem o quanto é dificil os primeiros dias de internação. Os primeiros dias a gente imagina e pensa tanta coisa né? será que ele está bem? o que ele está fazendo agora? será que já comeu alguma coisa? é tanta coisa que a gente pensa nos primeiros dias... sei bem como é...
    Fica tranquila tá? Pois tudo vai se resolver, e vai da tudo certo! Qualquer coisa é só me xamar tá? nao tenho blog mais sempre vou estar lendo suas mensagens.
    Fica com Deus. "P".

    ResponderExcluir
  4. Oi, Gaby! Parabéns pelo blog! Espero que escrever te ajude, como tem ajudado a mim. Me sinto aliviada e leve a cada postagem.
    Querida, sei que o que estás vivendo agora não é fácil, a gente sente falta, sente a ausência, mas, também sentimos uma ponta de esperança e alívio por saber onde ele está, e que poderá ficar bem.
    Seja forte, querida, e cuide-se nesse período! Você e a família dele também precisam de recuperação, e isso ajudará, e muito, o seu namorado, quando ele voltar.
    Meu esposo foi internado em abril de 2010, escrevi alguns posts sobre isso, segue um link.
    Beijo no coração.
    Não se sinta sozinha, ok?

    http://amandoumdependentequimico.blogspot.com/2011/05/um-luz-no-fim-do-tunel.html

    ResponderExcluir
  5. Querida P.
    É bom que mantenhamos contato sim, faz pouco tempo que entrei nessa de procurar ajuda na internet, antes eu aguentava tudo sozinha, como eu já falei, ninguém sabe da dependencia do meu amor, nem amigos, nem família...aí eu aguentava o fardo sozinha. Hoje escrever sobre o problema me faz bem, buscar ajuda na internet, conhecer pessoas que passam por isso, conhecer dependentes e aprender com eles, está sendo primordial pra mim. Estamos juntas nessa P. qualquer coisa que precisar me dá um toque. Vamos sempre manter contato. Se quiser pode me add no orkut.
    Beijos fica com Deus e nós vamos vencer!!

    ResponderExcluir
  6. Poly amada!
    Como escrever tem me ajudado...quando agente escreve agente se revela, não precisa guardar nada...
    E estou conhecendo muitos anjos, como você,que me mostram a realidade nua e crua, sem fantasias.
    Me dando a chance de escolher meu destino.
    Mas só por hoje eu escolho ser feliz independente de qualquer coisa!!!
    beijoss é estamos juntas!

    ResponderExcluir
  7. Oi gaby não tenho orkut, nem blog, só msn mesmo, mais sempre vou manter o contato com você. SEMPRE! Sempre estarei aqui, todos os dias entro no seu blog e no blog da Poly P. Sempre estarei aqui tá? Não vamos perder o contato, de jeito nenhum.
    Bjus.

    ResponderExcluir
  8. Gaby, lhe desejo muita força, a minha experiência tb foi com o crack, ver alguém que agente gosta se perder por causa dessa maldita pedra é de doer.
    O momento em que eu internei esse rapaz, que hoje é meu ex, foi um dos mais marcantes para mim, se vc entrar em meu blog, verá logo no início na coluna direira, frases do livro que falo como foi interná-lo, eu imagino o que você sentiu, porque é uma dor absurda...
    Força!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Gaby... seja bem vinda ao mundo virtual desse povo louco em recuperação! rsrsrsrsrs... fico feliz que esteja pipocando na net blogs como o meu e o seu, assim ajuda as pessoas a não se sentirem tão isoladas.... Li seu post sobre o primeiro dia na clinica...
    Não se esqueça que seu namorado não foi passar "ferias" na clinica... ele foi pra se tratar...Não é um mérito...ele não venceu nenhuma maratona, nem se formou em nenhum curso...ficar "mimando" as vezes "distorce" o real motivo pelo qual o adicto foi internado...
    Isso não quer dizer que não devemos ficar felizes, podemos sim ficar felizes... e devemos sim apoiar... Sei que é doloroso deixar quem a gente ama num lugar que não é "familiar" pra gente, mas agora com ele internado e buscando recuperação talvez seja hora de vc correr no paralelo tb... buscar sua recuperação, buscar algo que te deixe forte e melhor pra quando ele sair... Ou quando ele sair ao invés de ser namorada vc vai ser Tutora dele, vai ficar controlando horarios, saidas e qtde de dias limpo? Só podemos modificar a nós mesmos, aos outros só podemos amar....
    Cicie

    ResponderExcluir
  10. P.
    Se quiser me add no msn: anagabi.bibi@hotmail.com
    Estamos juntas amiga!

    _______________________
    Giully,
    É uma mistura de saudade, mas felicidade, porque sei que lá ele está limpo, se cuidando, se tratando...
    Bjs
    _______________________
    Cicie,
    Um apoiando o outro e assim vamos seguindo nesse mundo louco, mas em que vivemos intensamente!
    Vou anotar suas dicas no meu caderninho!
    Beijos e volta sempre! Esse apoio de vocês é precioso.

    ResponderExcluir